Bem-vindo – 20/04/2024 19:16
Previous slide
Next slide

Anestesistas de 20 unidades ameaçam parar por falta de pagamento

A Cooperativa dos Médicos Anestesiologistas de Goiás (Coopanest-GO) anunciou paralisação para começar em 15 de dezembro nos atendimentos eletivos e em 5 de janeiro nos emergenciais

O Conselho Regional de Medicina de Goiás (Cremego) enviou um ofício ao prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos), nesta sexta-feira (8), para alertar sobre a possibilidade de paralisação dos anestesiologistas que atuam em mais de 20 instituições de saúde da rede pública da capital. Segundo a entidade, o motivo são os atrasos no pagamento de honorários.

O Conselho cobra urgência na regularização da situação com a quitação imediata dos valores devidos. A informação é de que a Cooperativa dos Médicos Anestesiologistas de Goiás (Coopanest-GO) anunciou paralisação para começar em 15 de dezembro nos atendimentos eletivos e em 5 de janeiro nos emergenciais, caso a situação não seja regularizada.

Cópias do ofício ao prefeito foram enviadas pelo Cremego ao Ministério Público Federal (MPF), Ministério Público de Goiás (MPGO), Tribunal de Contas do Município (TCM) e Câmara Municipal de Goiânia. Segundo o Cremego, a expectativa é que o problema seja solucionado imediatamente.

No documento, a presidente do Cremego, Sheila Soares Ferro Lustosa Victor, ressalta que o recebimento da remuneração pelos serviços prestados é uma garantia constitucional e direito social primordial à dignidade da pessoa humana e chama a atenção ainda para a inexistência de contrato administrativo entre a Prefeitura e os médicos anestesiologistas, já que o contrato firmado está vencido.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da Prefeitura de Goiânia e da Secretaria de Saúde da capital, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem. O espaço continua aberto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *