Bem-vindo – 20/04/2024 05:10
Previous slide
Next slide

Denúncia no novo capítulo de estupro coletivo em Águas Lindas de Goiás

Dois dos envolvidos no estupro coletivo da jovem de 25 anos, há cerca de um mês (9/10), em Águas Lindas de Goiás, estão presos. O subtenente da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) Irineu Marques Dias, de 44 anos, no presídio destinado à policiais, em Goiânia, e o sargento do exército Thiago de Castro Muniz, de 36 anos, na unidade prisional de Águas Lindas.

O Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO), ofereceu denúncia contra o Policial Militar e contra o sargento do exército. Eles foram denunciados pelo crime de estupro coletivo, previsto no artigo 213, combinado com o artigo 226, inciso IV, alínea “a”, ambos do Código Penal.

Também foi solicitada pela promotora Renata Caroliny, uma apuração suplementar a fim de buscar o reconhecimento de eventuais coautores do delito, e foi solicitada a fixação do pagamento de indenização à vítima. Conforme apontado na denúncia, a vítima estava em uma festa em uma residência no Bairro Parque Barragem, em Águas Lindas de Goiás. A residência seria do irmão do subtenente, Daniel Marques Dias, de 37 anos, que à época do crime, também foi preso junto com Irineu e Thiago, mas teria sido liberado.

A festa teria se iniciado em uma sexta-feira, no dia 8 de outubro deste ano. Na manhã do dia 9, ela resolveu dormir em um dos quartos da casa, pois a festa, supostamente, terminaria somente no domingo (11/10). Logo após a jovem ter se dirigido ao quarto, Irineu Dias entrou no local e colocou uma arma de fogo sobre a cama em que ela estava dormindo, a fim de intimidá-la. Em seguida, o policial militar teria retirado as roupas dela e, conforme definido pela promotora de Justiça Renata Caroliny Ribeiro e Silva, autora da denúncia, Irineu teria iniciado uma “escala de revezamento” de estupros, supostamente praticados pelos denunciados e outros quatro homens ainda não identificados. Em que na sequência, entraram mais dois homens, que também mantiveram a conjunção carnal com a vítima sem o consentimento dela e após a saída deles, outros dois homens, incluindo Thiago, foram até o cômodo e também abusaram da mulher. Por fim, o policial militar,retornou e estuprou a jovem mais uma vez, o que levou o Ministério Público a denunciá-lo, mais uma vez.

De acordo com a vítima, foram momentos de terror que ela não via a hora de acabar. O estupro coletivo teria durado cerca de 5 horas até que a vítima conseguisse fugir da casa. A vítima soube da festa através de um amigo, com quem foi ao evento. A irmã da vítima também chegou a ir à festa, mas teria ido embora antes com o amigo da vítima. A casa com piscina estaria cheia de convidados, e não teria hora para acabar. A vítima teria se informado com outras duas convidadas sobre o quarto em que poderia dormir. As duas mulheres estariam ao lado de fora quando por volta das 7 horas da manhã, Irineu teria saído do quarto. A vítima relatou também que enquanto um dos homens praticava o estupro, o outro observava pela janela. Após a denúncia da vítima, os suspeitos foram conduzidos à 17ª Delegacia Regional de Águas Lindas de Goiás, e lá permanecem presos desde então.