Bem-vindo – 17/04/2024 15:19
Previous slide
Next slide

Festival de Cinema online e gratuito

Rastro, Festival de Cinema Documentário, começa nesta quarta-feira (28), com exibição gratuita de dez filmes. Assim como na edição de 2020, este ano, o evento segue com a programação até sábado (31), exclusivamente online, por causa das medidas de prevenção à Covid-19.

O catálogo de produções está dividido, igualmente, entre curtas e longas-metragens. Entre os títulos metade é de produção brasileira, e os demais são trabalhos feitos em países como México, Estados Unidos, Canadá e Finlândia.

Para assistir, bastar acessar o site de streaming Embaúba Play. Segundo os administradores da plataforma, não é necessário fazer cadastro, apenas clicar no filme escolhido.

A programação conta ainda com um evento de abertura: uma conversa com os organizadores, pelas redes sociais do Festival, nesta quarta-feira, às 20h. No mesmo perfil também ocorre uma live com a curadoria do evento na sexta-feira (30), também às 20h.

Filmes que fazem parte da programação do Rastro:

  • “Sobradinho”, de Marília Hughes e Cláudio Marques
  • “Nũhũ yãg mũ yõg hãm: Essa terra é nossa!”, de Isael Maxakali, Sueli Maxakali, Carolina Canguçu e Roberto Romero
  • “A flecha e a farda”, de Miguel Antunes Ramos
  • “Finding Sally”, de Tama Dawit
  • “Dope is death”, de Mutulo Shakur
  • “Videomemoria”, de Aiano Bemfica e Pedro Maia de Brito
  • “Pele manchada”, de Victor Mota
  • “Plowing the stars”, de Wally Fall
  • “Lupita”, de Monica Wise
  • “Land that rises and descends”, de Moona Pennanen

O festival foi criado por Bethania Maia, Rafaella Rezende e Renata Schelb. O evento também conta com a curadoria de Bruno Victor, Letícia Bispo e Pedro Azevedo.

Este ano, a organização do festival enfrenta dificuldades de chegar ao público em tempos de pandemia do novo coronavírus, além do desafio extra da falta de financiamento, segundo os idealizadores. Para bancar o evento, o grupo usou o dinheiro recebido após o Rastro ganhar um prêmio oferecido em um dos editais da Lei Aldir Blanc.

“Optamos por realizar esta edição mesmo sem patrocínio por acreditar na importância da continuidade de festivais para formação de público de um cinema não comercial”, afirma Bethania Maia, diretora executiva do evento.