Bem-vindo – 22/06/2024 12:21
Previous slide
Next slide

Estudante de análise de sistemas é preso no DF suspeito de armazenar e vender pornografia infantil

Material foi encontrado no celular do jovem de 26 anos, que mora na região do Guará. Segundo Polícia Civil, imagens eram divulgadas na deep web, área ‘escondida’ da internet.

Um estudante de análise e desenvolvimento de sistemas, suspeito de comprar e vender pornografia infanto-juvenil na “deep web” – área “escondida” da internet – foi preso em flagrante, nesta sexta-feira(13) pela Polícia Civil do Distrito Federal.

As buscas ocorreram em dois endereços, no Sudoeste e no Guará. No último, no apartamento do estudante, os investigadores encontraram material relacionado à pedofilia, armazenado em um celular.

A operação da Delegacia Especial de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC) foi batizada de “Darknet” e teve apoio do Instituto de Criminalística (IC) e da Divisão de Inteligência da corporação. Os trabalhos começaram há três meses, após a Agência de Investigações de Segurança Interna (Homeland Security Investigations – HSI) da Embaixada dos Estados Unidos em Brasília, obter informações sobre a atuação do suspeito.

Estudante de análise de sistemas é detido pela Polícia Civil do DF, suspeito de vender pornografia infanto-juvenil na deep web. — Foto: PCDF/ReproduçãoEstudante de análise de sistemas é detido pela Polícia Civil do DF, suspeito de vender pornografia infanto-juvenil na deep web. — Foto: PCDF/Reprodução

O estudante, que não teve a identidade revelada, foi levado para a carceragem da Polícia Civil e vai ficar à disposição da Justiça. Segundo os policiais, ele confessou que comprava pacotes com arquivos de pornografia de crianças e adolescentes em sites da deep web.

De acordo com o delegado Dário Freitas, da DRCC, todo material apreendido vai passar por perícia para comprovar, ou não, a venda dos arquivos. “Por enquanto, ele vai responder pelo armazenamento de imagens e vídeos de exploração sexual infantil, crime previsto no artigo 241 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)“, diz o delegado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *